quinta-feira, 15 de outubro de 2015

A educação e a formação no pensamento e na práxis de libertação nacional de Amílcar Cabral

Para Amílcar Cabral, a libertação nacional é um processo de grande alcance estratégico, posto que ultrapassa os marcos da conquista formal da Independência, implicando a remoção de todos os obstáculos ao livre desenvolvimento das forças produtivas e de todas as formas de subjugação da pessoa humana, sendo, por isso, indissociável da luta contra a ignorância e pela promoção do conhecimento e da cultura.

Como manifestação genuína da cultura e como ato de cultura, a luta de libertação nacional não só se fundamenta e se inspira na cultura como influencia esta última (Cabral, 1972). Por outro lado, a cultura da libertação nacional fundamenta a conceção e a práxis da Democracia, posto que essa luta visa, em última instância, a construção de uma sociedade nova, livre e de progresso, em que o poder esteja nas mãos e ao serviço do povo.

Para ser vitoriosa, a gesta libertadora exige, pois, a par do recurso ao “poder das armas”, que se mostrou inevitável para fazer face à repressão colonial, a utilização da “arma da teoria” ou do conhecimento: um conhecimento que deve ser mobilizado para a transformação profunda da sociedade, ao serviço ou a bem desta.
Amilcar Cabral 
No contexto da libertação nacional, Cabral não só delineia como enceta a implementação das bases de um novo paradigma educacional que, pelo seu carácter emancipatório, humanista e progressista, contraria os pressupostos do ensino colonial e, no essencial, mantém toda a sua atualidade.

Nos conturbados tempos de hoje, a obsessão pelo mercado continua a ser tendência dominante na referencialização das políticas educativas e das prescrições curriculares à escala global, não obstante as evidências de que a atual crise internacional é largamente tributária do falhanço das políticas ultraliberais de crença cega nas alegadas virtudes da desregulação da economia.

No atual contexto, em que a globalização hegemónica preconiza e impõe processos de ampla convergência e uniformização da educação e do currículo, na base da ideia de que “tudo se torna igual, independentemente dos contextos nacionais” (Pacheco, 2011, p. 15), subvalorizando-se quer a natureza emancipadora da educação quer a sua função de promoção da diversidade cultural e identitária dos povos, afigura-se oportuno invocar, sem cair no “culto da personalidade”, o contributo de homens que, como Amílcar Cabral, Paulo Freire e outros pugnaram por uma sociedade assente no ideário da liberdade e da dignidade da pessoa humana, do progresso solidário e da justiça social, para cuja construção concorrem, de forma decisiva, a educação e a formação.

Nesta palestra, seguimos, de perto, em vários pontos, um artigo científico que publicámos na revista Desafios, nº 1, da Cátedra Amílcar Cabral, em 2013, e nalgumas das nossas páginas Web, sob o título “A educação, o conhecimento e a cultura na práxis de libertação nacional de Amílcar Cabral” .

Segue o texto integral da palestra realizada a 6 deste mês, na Universidade Federal do Pará:


Praia, 15 de Outubro de 2015.
Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

Nenhum comentário:

Ei-los que partem!

Ei-los que partem!
Finalistas do jardim de infância "Turminha da Mónica", de Achada São Filipe, entre os quais o meu filho caçula, festejaram, a 14.7.07, com júbilo e entusiasmo, o fim de uma etapa importante na sua vida! Trajados com o uniforme que, daqui a meses, vão utilizar no ensino básico - poupando, assim, os bolsos das famílias, ei-los que partem para uma nova fase do seu percurso educativo, agora como alunos do ensino básico. Felicidades!

"Aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando"...

"Aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando"...
Em homenagem ao inesquecível Sá, homem da cultura, da educação e de ofícios mil, foi proclamada, em São Domingos, a 14 de Janeiro de 2007, a "Fundação Ano Nobo". Esta é uma das formas encontradas para continuar a obra de Fulgêncio Circuncisão Lopes Tavares, seu nome completo de baptismo. Naturalmente, a música, sua grande paixão, tinha de estar presente no acto de homenagem.