terça-feira, 28 de outubro de 2014

Fundamentos, práticas e perspetivas de inovação educativa e curricular nos contextos nacional, local e de escola



Não obstante as profundas e aceleradas mudanças que ocorrem no contexto da globalização e da sociedade do conhecimento, em que vivemos, inúmeras são as influências do velho paradigma civilizacional e cultural nas nossas vidas. Em relação à educação, a realidade é complexa, posto que, a par dos avanços significativos, que se expressam, designadamente, na expansão do acesso à educação a diversos níveis, confrontamo-nos com problemas e desafios que devem ser encarados numa perspetiva inovadora, quer em sede de formulação das mega e macropolíticas, quer em termos de assunção de um maior e mais consequente protagonismo das meso e microestruturas educativas, em especial dos gestores, professores e alunos, enquanto sujeitos e garantes do sucesso das políticas, reformas, mudanças e inovações no setor da educação.
Nesta comunicação, além de se proceder a uma breve revisão da literatura sobre os conceitos e fundamentos da inovação educacional, pretende-se evidenciar que, a despeito das tendências de centralização, recentralização e uniformização das políticas educativas, existem espaços e oportunidades de uma abordagem interpretativa, reflexiva e inovadora da educação e do currículo nos contextos locais e de escola, ilustrando esta tese com uma experiência em curso no concelho da Praia (Cabo Verde) com a elaboração autóctone de projetos educativos e curriculares.

Carnaval em jardim infantil: inovando a arte de educar
Este é o resumo do texto de base da Conferência proferida no “III Fórum Pensar a Educação nas Ilhas de Santiago e Maio”, realizado na cidade de Assomada, nos dias 3 e 4 de Outubro de 2014
Pode ler o texto integral através do link que se segue:  

Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular_2014_final 

                                                                    
                               
 

Praia, Outubro de 2014.                                                                           

Bartolomeu Varela


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

O PROJECTO EDUCATIVO DE ESCOLA NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO

No processo de globalização hegemónica da educação, com repercussões ao nível das políticas educativas nacionais, são evidentes as pressões no sentido da uniformização dos currículos escolares. Todavia, o currículo não envolve apenas a dimensão instituída ou prescritiva, havendo, pelo contrário, ao nível das escolas, um espaço de apropriação, recriação e inovação no âmbito da realização do currículo (dimensão instituinte). Desta sorte, o processo de globalização não exclui, antes exige, que a escola, no quadro da autonomia que lhe conferem os normativos, assuma os desafios da promoção da qualidade, tendo em conta a sua especificidade institucional e contextual, através de projectos educativos e curriculares, concebidos e realizados mediante um amplo envolvimento dos agentes educativos e da comunidade.
Para ler o texto completo do artigo, siga o link:
O projecto educativo de escola no contexto da globalização

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO EDUCATIVA. Uma abordagem teórica com aproximação à realidade cabo-verdiana

As escolas, enquanto elementos integrantes dos sistemas educativos, são organizações peculiares que, no cumprimento da sua missão e funções essenciais, tendem, em regra, a transformar-se em instituições, e cuja administração se processa num quadro em que as funções de planeamento, organização, direcção, execução e controlo do cumprimento dos seus fins são exercidas de forma integrada e sistemática, tendo em vista a eficiência e a eficácia na prestação do serviço educativo e, por consequência, a busca da excelência da educação, aferida em função da missão e das funções específicas da educação escolar. Este é o pano de fundo em que se estrutura o presente trabalho sobre Administração Educativa, no âmbito do qual abordamos conceitos básicos que relevam da asserção precedente e, do mesmo passo, procuramos clarificar alguns dos meandros, formas e instrumentos que constituem o modus faciendi, ou seja, as vias, formas e instrumentos pelos quais deve realizar-se, em sentido amplo, a administração da educação e das escolas. A primeira edição deste manual data de 2008. Na 2ª edição, fazem-se breves revisões à edição anterior, em termos formais e de conteúdo, mantendo-se, contudo, a singeleza da abordagem das temáticas, para que seja acessível a todo(a)s o(as) que pretendam compreender os referenciais básicos da administração da educação.

No link que se segue pode aceder ao texto integral do manual:

Manual de Administraçao Educativa – 2011


Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

A evolução do ensino superior público em Cabo Verde: da criação do Curso de Formação de Professores do Ensino Secundário à instalação da Universidade Pública




As Edições Uni-CV, da Universidade de Cabo Verde, publicaram, na colecção “Aula Magna”, nº 3, o meu livro “A evolução do ensino superior público em Cabo Verde: da criação do Curso de Formação de Professores do Ensino Secundário à instalação da Universidade Pública”, que retoma parte dos estudos empíricos desenvolvidos na minha tese de doutoramento em Ciências da Educação, concluída em Outubro de 2011 e defendida a 7 de Maio de 2012, na Universidade do Minho.
Prefaciado pela ilustre Professora Doutora Maria Adriana Carvalho, o livro está disponível em versão digital através do link:

evolucao_do_ensino_superior_publico_em_cv

Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

A Universidade, o currículo e o conhecimento: das origens aos tempos actuais




As Edições Uni-CV, da Universidade de Cabo Verde, fizeram publicar, na colecção “Aula Magna”, nº 2, o meu livro “A Universidade, o currículo e o conhecimento: das origens aos tempos actuais”, que retoma parte da minha tese de doutoramento em Ciências da Educação, concluída em Outubro de 2011 e defendida a 7 de Maio de 2012, na Universidade do Minho.

Prefaciado pelo ilustre Professor Doutor Carlos Belino Sacadura, o livro foi publicado em versões digital e impressa.

Pode aceder à versão digital através do link:

a_universidade_o_curriculo_e_o_conhecimento_blv


Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

O Currículo e o Desenvolvimento Curricular: concepções, práxis e tendências


As Edições Uni-CV, da Universidade de Cabo Verde, fizeram publicar, na colecção “Aula Magna”, nº 1, o meu livro “O Currículo e o Desenvolvimento Curricular: concepções, práxis e tendências”, que retoma parte da minha tese de doutoramento em Ciências da Educação, concluída em Outubro de 2011 e defendida a 7 de Maio de 21012, na Universidade do Minho.

Prefaciado pelo ilustre Professor Doutor Marcelo Galvão, o livro encontra-se publicado em versões digital e impressa.

Pode aceder à versão digital do livro, publicada em Março de 2013, através do link:
o_curriculo_e_o_desenvolvimento_curricular

Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

Tendências internacionais e política do ensino superior em Cabo Verde

Face às tendências de internacionalização do ensino superior, em que as lógicas de hegemonização e uniformização segundo os ditames da economia e do mercado vêm influenciando crescentemente as políticas estaduais, seja através de formas subtis de legitimação do conhecimento válido, que deve ser produzido e disseminado na academia, seja através dos mecanismos de regulação transnacional e supranacional, mediante a imposição de standards e de procedimentos avaliativos que sobrevalorizam os resultados prescritos em detrimento da análise dos contextos e processos de desenvolvimento das actividades académicas, a política de ensino superior cabo-verdiana, delineada ao nível dos discursos e dos normativos, caracteriza-se por um eclectismo algo paradoxal, posto que, do mesmo passo que evidencia o alinhamento com as referidas tendências, traduz o propósito de promover a cultura, a identidade e as especificidade nacionais, em ordem a assegurar-se o desenvolvimento humano e sustentável do país. Nesta comunicação, analisa-se em que medida o eclectismo presente nas opções de política de ensino superior cabo-verdiano e de outros países constitui um pretexto e uma oportunidade para a instauração e ou reforço de lógicas contra-hegemónicas e solidárias na abordagem da missão, autonomia e funções das academias. Assim, defende-se a possibilidade de, a par da internacionalização do ensino superior através de redes colaborativas, as universidades explorarem, até à exaustão, as oportunidades de inovação nas práticas de gestão e realização dos currículos, com a devida tradução das especificidades nacionais, mediante uma abordagem criativa e emancipadora. Trata-se, em suma, de construir e desenvolver, a nível de cada academia e nas relações interuniversitárias, espaços de promoção do conhecimento universal, sem obliterar o potencial de conhecimento novo susceptível de ser gerado a partir das realidades locais, mas antes assumindo, na plenitude, o desafio da tradução do global e do local, enquanto dimensões inseparáveis da natureza da instituição universitária.

Este o resumo de uma conferência proferida na 3ª Conferência da FORGES, realizada em Recife, Pernambuco, em Dezembro de 2013. Pode ler o texto integral através do link:


 
https://bartvarela.files.wordpress.com/2013/12/tendencias-internacionais-e-politica-de-ensino-superior-cv.pdf


Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

Abordagem por competências no currículo escolar em Cabo Verde: desfazendo equívocos para uma mudança significativa nas políticas e práxis educacionais

A abordagem curricular por competências, enquanto fenómeno recente no discurso educativo em Cabo Verde, corre o risco de não passar de mero modismo, sem se traduzir numa inovação efectiva ao nível das práxis educacionais, se não for correctamente compreendida pelos diversos actores envolvidos na obra educativa e, em particular, nos processos de deliberação, gestão e realização dos currículos escolares.
O presente artigo procura esclarecer alguns equívocos que em Cabo Verde, como em outras latitudes, acompanham a defesa da pedagogia por competências. Assim, importa elucidar que a abordagem curricular por competências vem aprofundar, entre outras, as abordagens por conteúdos e por objectivos e não, pura e simplesmente, substituí-las, por serem, alegadamente, tradicionais. Outrossim, no contexto da educação escolar, as competências não devem ser encaradas numa perspectiva redutora, focalizada na transferibilidade de conhecimentos para o mercado de trabalho, mas, fundamentalmente, no sentido da mobilização do conhecimento escolar para a resolução dos problemas nos diversos contextos ou situações da vida, que não se esgota no mercado.
Este é o resumo do artigo cujo texto completo pode ler através do link:

Abordagem por competencias no curriculo escolar em Cabo Verde

Como diversos trabalhos da minha autoria, pode lê-lo igualmente no Portal do Conhecimento de Cabo Verde, através do seguinte link:
http://www.portaldoconhecimento.gov.cv/bitstream/10961/2461/1/Abordagem%20por%20competencias%20no%20curriculo%20escolar%20em%20Cabo%20Verde.pdf

Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

Perspectivas e desafios actuais da política educativa e curricular em Cabo Verde

O presente artigo analisa as opções de política educativa e curricular em Cabo Verde, à luz dos documentos oficiais, confrontando-as com as tendências internacionais e com a realidade concreta do país, de modo a evidenciar as perspectivas, os paradoxos e os constrangimentos que envolvem os propósitos de mudança educativa e curricular neste pequeno país do Atlântico Médio.
Fazendo eco das discussões sobre o papel da educação e do currículo, assim como da natureza do conhecimento, em sede da definição das políticas educativas, o texto não só analisa as principiais directivas e orientações que servem de referência para as políticas de educação e do currículo em Cabo Verde como procura esclarecer em que medida tais opções são influenciadas pelas tendências de globalização hegemónica, visando a uniformização educativa e curricular e ou traduzem a realidade específica do país.
Face aos propósitos ambiciosos de mudança educativa em Cabo Verde, o texto invoca o contexto educacional cabo-verdiano para evidenciar algumas fragilidades e ambiguidades do processo de desenvolvimento curricular, que requer novas e mais adequadas abordagens, a todos os nívei, com enfoque particular no ensino básico e no ensino secundário.
Este é o resumo do artigo que data de Fevereiro de 2012 e cujo texto integral pode ler através do link:

Perspectivas e desafios actuais da política educativa e curricular em Cabo Verde
Bartolomeu Varela
Universidade de Cabo Verde

A relevância do trabalho pedagógico no ensino superior. O caso da Universidade de Cabo verde

A mudança paradigmática que se propugna no modo de encarar a formação superior na Uni-CV implica que, a par da ênfase no aprimoramento do conhecimento científico, mediante a elevação do grau académico, seja consequentemente valorizada a vertente pedagógica, assumindo-a não apenas como um elemento adicional do perfil do docente do ensino superior, mas como uma exigência inelutável da qualidade da formação, posto que, ao cabo e ao resto, se trata de conceber formas adequadas de lidar com o conhecimento científico, seja na forma como o mesmo é produzido (pela investigação), seja no modo como esse conhecimento é apreendido e apropriado pelos estudantes, através do processo de ensino-aprendizagem, seja ainda em termos de disseminação do conhecimento (produzido e aprendido) no seio da sociedade, no âmbito da extensão.

Este é o resumo do texto de uma comunicação proferida nas I Jornadas Pedagógicas da Universidade de Cabo Verde, realizadas de 22 a 26 de Abril de 203, que aqui se reproduz na íntegra (queira seguir  o link):

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR


Bartolomeu L. Varela
Universidade de Cabo Verde

O Currículo e o Desenvolvimento Curricular nos tempos actuais – lógicas e desafios do processo de globalização

A tendência para a uniformização curricular e a imposição de padrões, no contexto da globalização hegemónica da educação, bem patente nas directivas e prescrições curriculares que enformam, cada vez mais, as políticas educacionais, constitui um severo desafio às instituições educativas, ao pôr seriamente em causa o seu propósito de promover, pela educação, a identidade, a diversidade cultural, a emancipação e o empoderamento das pessoas. Porém, o desenvolvimento curricular, enquanto processo dinâmico e interactivo, não envolve apenas a dimensão instituída, ou seja, a prescrição do currículo a nível macro, havendo, a nível das escolas e ou dos cursos, um espaço de reflexão, recriação e inovação no âmbito da realização do currículo. Por outro lado, é possível contrariar o hegemonismo curricular através de políticas e práxis de globalização solidária da educação, atendendo, assim, às especificidades institucionais, nacionais e locais.

Queira encontrar o texto integral do artigo através do link:

 Curriculo e Dt.Curricular nos tempos actuais_ desafios da globalização


Bartolomeu L. Varela
Universidade de Cabo Verde
bartolomeu.varela@adm.unicv.edu.cv

In: Revista de Estudos Cabo-Verdianos
Atas do I Encontro Internacional de Investigação e Reflexão(EIRI),
Edições Uni-CV, Dezembro de 2013, pp 11-22
ISSN 2073 – 9419″

Avaliação externa da qualidade da educação. Os casos de Cabo Verde e Portugal

Nos modelos de regulação transnacional e supranacional, as políticas de partilha de conhecimento definem não só processos de regulação cognitiva, em que a mudança se impõe pela via conceitual, mas também práticas de avaliação centradas na garantia da qualidade.
Tendo em consideração o modelo pós-burocrático de gestão, que é ao mesmo tempo indutor da centralidade dos resultados e da estandardização do conhecimento, para além da imposição de processos formais de qualidade, os autores analisam, recorrendo a uma revisão crítica de bibliografia internacional, de que modo a avaliação institucional no ensino superior, com reflexos na avaliação das escolas dos ensinos básico e secundário, responde a critérios de eficiência e eficácia através de práticas formais e informais de monitorização. Por isso, discutimos, nesta comunicação, e no quadro de políticas globalizadas, o processo de acreditação e avaliação no ensino superior, com a exploração, por um lado, das políticas baseadas em standards, e por outro, das práticas avaliativas em curso em Cabo Verde e Portugal.
Queira encontrar o texto integral do artigo, em coautoria com o Professor José Augusto Pacheco, através do link:

Avaliaç Qualidade E.Superior CV & PT_BV e JAP
 Autores: Varela, Bartolomeu; Pacheco, José Augusto
In Ferreira, Ana Cristina (org.), Nas pegadas das Reformas Educativas – Conferências do I Colóquio Cabo-verdiano da Educação. Praia: Universidade de Cabo Verde, 2013: 25-37
ISBN: 978-989-8707-03-1

domingo, 26 de janeiro de 2014

A Pedagogia de Montessori e sua contribuição para a educação nos tempos actuais




Nos tempos actuais, confrontamo-nos com propostas de inovações pedagógicas que, supostamente, vêm substituir as abordagens anteriores, consideradas ultrapassadas, ignorando-se o contributo de inúmeros autores que conceberam e experimentaram teorias, métodos e técnicas de ensino-aprendizagem legando o seu contributo, não isento, é certo, de insuficiências, às gerações posteriores de educadores e cientistas da educação.     

O conhecimento dessas contribuições, não necessariamente numa postura apologética e acrítica, é susceptível de nos ajudar a encarar melhor as novas abordagens pedagógicas que, com o tempo, igualmente, irão sofrer mutações e ou aperfeiçoamentos, posto que a qualidade do acto de educar é uma construção permanente, assim como o é o processo de desenvolvimento integral do homem na perspectiva da sua plena realização nos planos pessoal, familiar, cívico, profissional e social.   

Na tentativa de chamar a atenção para a necessidade de resgatar o legado de pedagogos de anteriores gerações, fazemos aqui breve referência à biografia e ao contributo pedagógico de Maria Montessori.

Maria Montessori, nascida em Itália a 31 de agosto de 1870, foi a primeira mulher do seu país a formar-se em medicina, em 1986), tendo iniciado sua carreira, no ano seguinte, como como médica assistente da clínica psiquiátrica da Universidade de Roma. Desde logo, a partir do contacto com crianças deficientes mentais que eram, em geral, misturados com doentes mentais adultos, nos hospícios, começou a manifestar o seu interesse pela educação. Entendendo que se deveria dispensar a essas crianças um tratamento mais pedagógico do que médico, Montessori empenhou-se em estudar outros modelos educacionais vigentes na Europa, especialmente o método adoptado pelo Dr. Eduard Séguin para o ensino de atrasados mentais, tendo ainda estudado pedagogia e psicologia, o que lhe permitiu formou novos conceitos e c desenvolver o seu próprio método.

Depois de obter sucesso no ensino de crianças retardadas, contribuindo, assim, para o que denominamos por "educação de alunos com necessidades educativas especiais", Montessori começou a aplicar seu método junto a "crianças normais", realizando experiências pedagógicas com resultados surpreendentes, que decorrem do modo livre e participado de organizar as aprendizagens. Como refere a educadora, “as crianças precisavam de um lugar calmo e seguro, onde pudessem escolher suas actividades e desenvolver o raciocínio e a personalidade”.

O sucesso da experiência encorajou-a a fundar sua própria escola, a Casa dei Bambini, cujo modelo foi logo seguido por outras escolas em toda Europa, não obstante  a forte oposição dos defensores do sistema ortodoxo de ensino, que temiam as consequências de um método baseado na liberdade e na auto-educação.

Em 1922, numa altura em que o seu sistema de ensino já se tornara muito conhecida, foi nomeada inspectora-geral das escolas públicas da Itália, mas, com a vitória do  fascismo, as escolas montessorianas começaram a ser fechadas e Maria Montessori viu-se obrigada a abandonar o país, permanecendo durante algum tempo na Espanha republicana, depois em Sri Lanka e na Índia, só tendo voltado ao seu país após a Segunda Guerra Mundial, onde leccionou na Universidade de Roma. 

Mas, em face do seu renome, permaneceu ali por pouco tempo, tendo feito várias deslocações com o propósito de supervisionar a formação de novos professores. Viria a fixar-se definitivamente  em Holanda, onde faleceu a 6 de Maio de 1952.

Numa justa homenagem a esta pedagoga, a Organização das Nações Unidas declarou 1970 (ano do centenário de seu nascimento) como Ano Internacional da Educação.

Montessori escreveu mais de uma dezena de livros versando diversas questões de ensino e educação, de entre os quais se destacam: “Método da pedagogia científica aplicada à educação” (1909), “Auto-educação nas escolas elementares” (1912), “O método Montessori avançado” (1919), “A criança” (1936), “Educação para um novo mundo” (1946) e “A mente absorvente” (1949), no qual se ocupa das crianças com menos de três anos de idade.”



Partilhamos, em seguida, com a devida vénia, dois vídeo-aulas que dão uma visão geral e sucinta da pedagogia de Montessori, ainda de marcante actualidade.


1 - Sobre os princípios gerais do Método Montessori:

http://youtu.be/ZMIdeKR_bak




2- Sobre os três pilares práticos do Método Montessori:


Praia, Cabo Verde, 26 de Janeiro de 2014.
Bartolomeu Varela

Ei-los que partem!

Ei-los que partem!
Finalistas do jardim de infância "Turminha da Mónica", de Achada São Filipe, entre os quais o meu filho caçula, festejaram, a 14.7.07, com júbilo e entusiasmo, o fim de uma etapa importante na sua vida! Trajados com o uniforme que, daqui a meses, vão utilizar no ensino básico - poupando, assim, os bolsos das famílias, ei-los que partem para uma nova fase do seu percurso educativo, agora como alunos do ensino básico. Felicidades!

"Aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando"...

"Aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando"...
Em homenagem ao inesquecível Sá, homem da cultura, da educação e de ofícios mil, foi proclamada, em São Domingos, a 14 de Janeiro de 2007, a "Fundação Ano Nobo". Esta é uma das formas encontradas para continuar a obra de Fulgêncio Circuncisão Lopes Tavares, seu nome completo de baptismo. Naturalmente, a música, sua grande paixão, tinha de estar presente no acto de homenagem.