segunda-feira, 17 de março de 2008

No Dia do Pai, fala o filho!

Tomei parte, há dois dias, na festa comemorativa do Dia do Pai, organizada pela Escola do Ensino Básico “Eugénio Tavares”, frequentada pelo meu filho mais novo, o Márcio. Foi uma tarde extraordinária, durante a qual os pais dos alunos da escola, com quatro dias de antecedência em relação ao dia de São José, foram homenageados através de um programa de actividades que tinha de tudo um pouco: brincadeiras e jogos improvisados, com a participação dos filhos, pais, mães e outros convivas; cerimonial de homenagem ao pai, em que os filhos impuseram fitas e entregaram prendas aos respectivos pais; sessão de filme seguida de debate; lanche ao sabor de coisas da terra, como o saboroso cuscuz com leite, etc.


O filme “Ser e Ter” reportava aspectos interessantes da obra educativa desenvolvida algures numa certa aldeia de certo país. Pleno de ensinamentos importantes sobre a ciência e a arte de educar, o filme foi seguido de um debate, animado pela pedagoga Filomena, convidada para o evento.

Não me refiro aqui às sábias palavras da Filomena, que interpelou a assistência sobre o que é “Ser” pai e o que este deve “Ter” para o poder ser verdadeiramente. Permitam-me que partilhe convosco parte das opiniões expendidas, num português correcto, pela segunda figura do debate, o meu filho Márcio, de 6 anos: “o pai deve ter amor”… “deve ter carinho para o filho”, mas este “deve ser obediente” para com o pai.

Não que me surpreendesse a capacidade de reflexão do meu filho “caçula”! As palavras que ele proferiu são simples e até parecem banais. Mas será que todos os pais avaliam, na sua justa medida, o alcance do “amor” e do “carinho” na educação dos filhos? E que dizer da dimensão axiológica da educação que o Márcio expressou ao trazer para o debate o dever de “obediência” aos pais, muitas vezes esquecido ou relegado a um plano secundário?

Enfim, os filhos devem ser escutados a sério, não acham? Não apenas no Dia do Pai, mas todos os dias.

Bartolomeu

Ei-los que partem!

Ei-los que partem!
Finalistas do jardim de infância "Turminha da Mónica", de Achada São Filipe, entre os quais o meu filho caçula, festejaram, a 14.7.07, com júbilo e entusiasmo, o fim de uma etapa importante na sua vida! Trajados com o uniforme que, daqui a meses, vão utilizar no ensino básico - poupando, assim, os bolsos das famílias, ei-los que partem para uma nova fase do seu percurso educativo, agora como alunos do ensino básico. Felicidades!

"Aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando"...

"Aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando"...
Em homenagem ao inesquecível Sá, homem da cultura, da educação e de ofícios mil, foi proclamada, em São Domingos, a 14 de Janeiro de 2007, a "Fundação Ano Nobo". Esta é uma das formas encontradas para continuar a obra de Fulgêncio Circuncisão Lopes Tavares, seu nome completo de baptismo. Naturalmente, a música, sua grande paixão, tinha de estar presente no acto de homenagem.